Aquarela de lembranças

bau

Encontro-te quando reviro as folhas amarelas dos meus sonhos

O tempo preservou todas as emoções:

Aquarela colorida, risos soltos

Brincadeiras de infância.

E no baú de lembranças, há um papel dobrado

Um  nome…

O amor que ficou guardado

Bebeu da fonte da saudade

Chorou uma dor desconhecida

Alimentou – se de esperança

E dançou no ritmo da vida

Quando o vento toca os meus sonhos

E embaralham –me os pensamentos

Vejo-te a sorrir

E tu sorris para mim.

Convido-te a dançar

Vem comigo!

Nessa valsa… Nesse tango…

Nesse sorriso.

Somos levados no mesmo passo, dentro de um  abraço

De volta ao sonho  imaculado.

Enchente

 

navegarepreciso

O rio cresceu

cobriu a ponte

engoliu a pinguela

trepou na árvore

fechou o caminho.

O rio veio de mansinho

abriu os braços

correu apressado com medo da chuva

Lavou o bananal

Deitou água no arrozal

Parece o mar.

Pego o jornal

faço meu barco

e começo a remar

Sou capitão

Sou marinheiro

Sou pirata aventureiro

a piratear

O rio é meu

E brinca contente

Na chuva de verão

Com água de enchente!

(Aparecida Dias)

 

 

 

Cavalgada

c165062e23f423a05a044ff11a545839

Cavalo Branco

olhar de betume

marcha ligeiro, na areia  brilhante

de beijo de lua

No chão macio de pão de ló.

Sob as patas marchantes

a estrada prateada

é trilha encantada

no Reino de Camelot.

 

Sonha o cavalo

com o menino valente

que quer batalhar.

Estrela cadente

indica o lugar onde o  aventureiro

e o perverso estrangeiro

irão duelar.

 

Voa o menino

pequeno guardião

de uma estrela distante.

Segue sem medo

em seu Rocinante.

De bronze vestido

rédeas soltas ao vento

o Rei menino

com sua excalibur

cavalga…

no cavalo lunar.