Livro: O Perfume da palavra V

o perfume da palavra

 

É com imenso orgulho que apresento

O Perfume da palavra V

Um livro de antologia: contos, poemas e crônicas de autores que se encontram geograficamente separados, mas unidos na literatura por meio da Editora Muiraquitã.

O que fascina nessa obra é essa diversidade. Vários olhares e corações unindo o sentimento de amor pelas letras.

O carinho da equipe Muiraquitã faz toda a diferença. A editora chefe Labouré  Lima tem uma atenção especial para todos e cada um de um jeito aconchegante que nos coloca na sala de estar a bater um delicioso papo.

O tempo, a saudade, os amores, a vida cotidiana, os medos, o olhar para dentro  de nós, nossos dias conturbados e nossas atitudes… tudo isso num só pacote: O perfume da palavra  V.

Obrigada, Editora Muiraquitã, por dar-me a oportunidade de participar dessa antologia.

Lindo livro !

Adquira o livro  aqui.

livro - O perfune da palavra

 

Vida caipira

Oscar_Pereira_da_Silva_-_Cozinha_na_Roça

Galo no terreiro

acorda, bem cedo, o caipira.

Homem madrugador, por Deus abençoado

Põe -se a caminho pro trabalho no roçado

Antes que o sol desponte

Radiante

A beijar o campo e aquecer o diamante

que a noite esculpiu em sereno na flor.

Labuta

sem culpa

Resigna a dor…

Contempla o tempo

A vida que Deus lhe deu.

Gota de orvalho no róseo capim meloso

Penachos coloridos no campo

que anunciam um inverno rigoroso.

O vento frio a soprar

e a encher o terreiro de plumas rosadas.

O frio,

O vento,

O alecrim…

O pasto de verde rosado capim.

O caboclo labuta desconfiado

A luta diária

E seu pouco salário

Tostão a tostão no bolso contado.

Se falta-lhe o pão

ele roga aos céus

e retorna à lida alienado.

Vez por vez

Trevez…

Enche a casa a filharada.

Semente na terra lançada.

A cada rebento uma enxada.

Família grande é sinal de farta colheita.

Sob o sol,chuva ou lua.

Não há tempo mal ou reviço que rejeita.

Mas, se falta-lhes o pão…

Eles fazem promessas

Fazem oração.

E pobres, coitados

Retomam a lida, alienados.

Aparecida Dias

 

 

 

 

 

 

Na praça

banco

Um passo

Um braço

Um jardim

 

Uma manhã de sol…

Num céu azul de cetim.

 

Entre pardais assanhados

e andar apressados

Os ponteiros do relógio da matriz

Observam a praça

Sem pressa

E marcam o tempo, cansados.

 

O velho banco…

O passa tempo do jornal

Um sorriso amigo

E uma gostosa conversa matinal

 

Dois olhares a perderem-se no horizonte

Refletido no próprio olhar

 

Revivem promessas de um amor

Que o tempo soube cultivar.

Aparecida Dias

Poema envolvente

abraço

Escrevo-te

As palavras desfilam vaidosas pelas páginas em branco

Tão alvas e nuas…

E buscam formas e arranjos

para combinadas ao ritmo da poesia

envolver-nos com encanto.

Despidas, deslizam sonoras e ofegantes

Apaixonadas

E beijam as linhas tantas

dos versos emparelhados.

Sou a poesia que pousa nos beijos teus

E suavemente no teu corpo passeia.

Incendeia.

É poema fogo.

palavras e beijos que ardem em poesia

Amor que aquece e embriaga de desejos.

Entrega.

Estou em ti

a ler o ritmo envolvente do teu corpo

que embala os sonhos meus.

 

Aparecida Dias

Cheiro de saudade

25Beleza Entre Frutas e Flores

Fica no ar

um cheiro  de fruta madura

sempre que tu passas

nos pés de menina que anda a sambar.

Lembras-me o tempo

em que brincávamos

escondidos no pomar.

O gosto de fruta que tinham os teus lábios

Era o doce do primeiro amor

que fez-me teu namorado.

Teus olhos de céu em face de pôr do sol

Coravam-me as bochechas

sempre que fitavas

no fundo do meu olhar.

E meus lábios sedentos

buscavam a fruta que tinha os beijos teus.

Hoje tu passas…

Fruta, sol e céu.

Te vejo, menina, de beijos de mel.

Teu cheiro, mulher,

ainda é de flor escondida no pomar.

Promessas de amor

Doce fruta a provocar-me.

Aparecida Dias

 

 

Amor secreto

 

menina adolescente

Lábios de morango

Olhos da cor da noite

Cheiro de brisa fresca

Passam ligeiros  os cabelos esvoaçantes

E cadernos abraçados

Apertados

contra o peito borboletante

da menina acanhada.

As páginas brancas do caderno de Geografia

revelam uma viagem sonhada

iluminada

por luzes que dançam sobre a água enluarada

de uma chuva que já chorou…

Enquanto chove a saudade

A menina beija assinando a batom

O último verso de amor

Extraído da aula de matemática.

Aparecida Dias