Saudade

saudade

Anúncios

Vem comigo

Não fujas de mim…

Estou tão perto de ti

Dá-me  a tua mão

Vem comigo

Podemos passear por  entre os nossos sonhos

Em caminhos de estrelas

Iluminados pela lua

Ao suave som da chuva de cores

Deixemos nossos corpos imersos no vento

Todo toque é carícia que  excita nossas  almas de amantes

Somos dois caminhantes

A caminho do paraíso.

Não fujas…

Vem comigo

Estamos tão perto

Olha o brilho sob nossos pés

Olha as gotas que molham  meu rosto

Sente o amor que salta dos meus olhos e pousam em teu olhar

Ouve o meu coração pulsar.

Estás em mim

Danças?

Vem comigo

Não fujas de mim

Pois ao fugir de mim, foges também de ti.

Carnaval

Quando as máscaras escondem a tristeza dos olhos que choram por ti

E o sorriso fizer-se presente nos lábios que tanto te beijaram

Não   perguntas o que se passa…

Lembra apenas que é carnaval…

A banda passa a tocar uma música alegre

Meu coração chora a saudade  de um sonho perdido

E o palhaço ri  na roda da rua enfeitada

Entre confetes e serpentinas douradas

Dançam alegres as fantasias engraçadas

Sustentadas por um corpo dançante

Meu olhar se perde no colorido do bloco carnavalesco

E não  ouço mais nada

Apenas o silêncio invade a minh’alma.

Vejo teu sorriso em meio a multidão

E por debaixo da máscara meus lábios arriscam  retribuir…

Não vês…

Não podes ver-me  a chorar ou sorrir

Estás distante e não sabes dos meus sonhos

Em meio a folia de carnaval.

Promessa de amor

Canta o sabiá enquanto a chuva acaricia a Terra

Cheiro verde de folhas lavadas

Aroma fresco de flores do campo

Canta, canta  o sabiá  laranjeira!

Uma canção mina devagar de dentro de mim

Tal qual a chuva vem peneirando de mansinho no meu rosto

Molha minha alma de  saudade

Inunda meu corpo de desejo

Entre sol e chuva

Luz e calor

Meu coração se enche de amor

E o céu resplandece em cores

E faz uma aliança conosco

Eu te amo e tu me amas

E canta o sabiá…

Canta… canta o sabiá

Pois, até o pobre bichinho sabe do meu amor

E com pena do meu penar

Canta pra me alegrar

Chove chuva pra relembrar

Que a aliança é forma mais pura de envolver dois amantes

E no céu faz-se imponente

Arco-íris de amor

Pra sempre a nos abençoar

Céu… luz… sol e calor

Eu prometo: pra sempre vou te amar!

Permita-me te amar

Disseram-me um dia que  o meu bem querer é impossível

E que  esse amor é proibido.

Proibida está  a dor   de  rasgar o coração que um dia se encheu de vida

Proibido está o choro  de romper do fundo da uma alma  e marcar um rosto que queria sorrir

Quem  é tão poderoso  a ponto de   apoderar dos  sentimentos alheios

E determinar a quem deve amar?

Onde estão os requisitos básicos de escolha do seu par?

Permita-me  entregar

Sem  temores e  ressentimentos

De aninhar em teus braços

De sentir o sabor de teus beijos

E saciar- me nos teus desejos.

Permita-me chorar

Pela emoção de estar contigo

Permita-me amar

Pois é amando-te que eu vivo.