Adolescer

roda gigante

Aqueles sonhos distantes

movidos em descompasso

Levam -te  a brincar escondida

Na leveza dos miúdos passos…

Roda gigante…

pequena criança afoita a brincar

Menina-moça quase a apaixonar-se.

No parque da vida sempre a rodar

Roda gigante

Roda rodante

Sonho vagante…

Pobre menina, sempre a chorar.

Aqueles sonhos distantes

Conflitos constantes:

Brincar ou amar?

Coração distraído

fica perdido na roda a brincar.

Coração abatido

perdido na roda quer apaixonar.

E a roda girante continua a rodar.

Sonhos de menina

Tão distantes e tão perto

Tão difusos e tão certos

Baralham  todas as fantasias

e  acolhe o abraço.

Adolescer…

Doces e confusos desejos,

quem os há de compreender?

 

Aparecida Dias

 

Reencontro

Nômades+Amantes+do+Tempo

Crédito da Imgem:  Bruno Steinbach. “Nômades Amantes do Tempo – Hariel e Aladiah“ . Óleo / Bruno Steinbach.

Beijei-te devagar

A saborear cada gota de desejo contida nesse beijar.

Os pensamentos voaram baixo

em rasantes voos, trazendo todos os sonhos a nos abraçar.

A longa espera marcada pela saudade

escorreu líquida no suor dos   teus abraços.

Abracei-te devagar

A acariciar cada sonho nosso

confessado neste abraçar.

Sonhei-te a cada dia na espera deste dia

E no desejo desse sonho

fizeste a espera acabar-se.

Aparecida Dias

 

 

 

Regresso

Rua deserta…noite solitária

Noite sem luz…

Passos pisam em leve andar solitário.

Solitário ladra um cão no quintal que parece não ter fim.

Parece que o pobre cachorro chora agoniado

a pedir uma companhia ao teu lado.

Os passos lentos  vão cegos

a tatear as geladas pedras do chão…

Surge , ainda que longe, uma janela

a sacudir uma luz amarela

feito cortina dourada no meio da noite,

tímida luz na escuridão.

E vem ao encontro do solitário caminhante

luz acolhedora da casa distante.

Tem cheiro de terra regada a chuva e folha tombada de vento a soprar

Tem sabor de saudade

colo de mãe

e abraços  a afagar.

Aparecida Dias

 

Páginas de sonhar

 

livro colorido

Plantam-se sonhos

Colhem-se sorrisos

Todos os dias.

Nas linhas e entrelinhas,

nas páginas coloridas dos livros.

Tantas fantasias,

histórias e magias

tecidas a mão

em fios de invenção…

Preparadas com carinho

semeadas nos caminhos

da meninada.

E em toda a cena encantada

Traduz-se o poeta…

no olhar flutuante

de cada infante.

Doce magia

Páginas de sonhos,

Universo de alegrias!

Aparecida Dias