Lembranças

 

 

lua

Costurei um manto de saudade

Foram pedaços de céu que eu emendei, cerzi e alinhavei

Prendi nele estrelas e a lua cheia

Faço desse manto, meu refúgio de lembranças…

Aparecida Dias

Anúncios

Um saco de batatas

 

Deixando de ser um saco de batatas

A trama de linho se estende garbosa

sobre a mesa de jantar.

As batatas imperiosas, cheirando a ervas finas, exibem-se em baixelas de prata.

Mas logo se vão…

Percorrer um caminho, um tanto angustiante até deitar as sobras …

A toalha não!

Alvejada, bordada, rendada

Será posta novamente e acolherá novos sabores,

Novas mãos entrelaçadas

Tantos brindes tintos, brancos ou rosês

Sorrisos embriagados a escorregarem em cascata sobre o fino linho.

Deixando de ser um saco

Um farrapo

Um trapo, refeito, brilha no salão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O amor pulou o muro

“O amor pulou o muro” disse Drummond.

Sim. O amor pulou!

O amor pulou o muro, o portão, a janela.

Saltou o brejo, a ponte, a pinguela…

O amor atravessou a rua, pulou na cama e refastelou-se nela.

O amor despiu-se devagarinho…

E de corpo nu, entregou-se ao afeto

Cobriu-se de  ternura e carinho

Bebeu na fonte do beijo

O líquido prazer que vertia

O amor mergulhou, emergiu, sentiu.

O amor gemeu, gozou, se lambuzou de mel

O amor sorriu e sussurrou palavras  que escorregaram num fio de ilusão.

“Pronto. O amor se estrepou” confirma o poeta.

Ah! O amor se estrepou. Se feriu, machucou, sangrou.

O amor chorou.

E o fio de ilusão molhou a areia da estrada por onde o amor vagava.

O amor se encolheu com medo do sussurro do vento

E o vento cantava: for…ni…ca…ção…

E a serra ecoava: fornicação…ação…

Sedução

Traição

Perdição

Ção… ção… ção…ção… ção… ção… ção…

Consternado o amor fugiu, escondeu-se debaixo da cama

Não comeu, não bebeu, não dormiu

Não dormiu, não comeu

Não comeu nem gemeu

Exausto, caído, estrepado, o amor se apagou.

“Talvez essa ferida sare amanhã!”

Obrigada, poeta.

(Aparecida Dias)

Livro à venda

link de compra

http://carreiraliteraria.com/produto/estacoes-em-poesia/

capa3dAos amigos que  desejam adquirir o livro e viajar nas asas de doces lembranças, podem acessar o site da Editora Oito e Meio.

O valor é bem acessível e a leitura será agradável.

Durante a leitura podemos transpor o tempo, passando pelas doces fases da vida, apreciando os bons momentos das brincadeiras de infância, do primeiro amor, do cotidiano…

Um caminho que nos é dado a desenhar  com sorrisos, lágrimas e encantamento. Viver é pintar uma aquarela. A tinta, o Criador nos oferece, ao nascer, junto com uma enorme tela toda em branco. A arte nós a fazemos aos poucos, aos pingos, aos borrões…

Quem vai ler e interpretar essa pintura? Depende dos corações que afetamos com nossa existência. E então, eternizamos nossa história. Plantamos sementes nos corações para que floresçam, para que coloram outras paisagens e criem outras telas.

Um abraço a todos.

Aparecida Dias