Mágoa

Lágrimas são alívio de uma dor que dói profunda

Numa noite  sem sono

Sonhos perdidos no caminhar dos anos

No passar das estações

Tantos verões!

Onde se esconde o brilho do sol?

As sombras foram costuradas,

Uma após outra, seguidamente.

E teimam, pesadas, em cobrir  o desejar de primavera.

Passos vagueiam miúdos

A titubear pelos caminhos sem rumo

Olhos cansados sem brilho

Pesam a chorar

E lava a mágoa contida

Recolhida

E o chorar de um sonhante

Caminhante, errante

É voz que vem do coração

Olhos molhados, cansados

São janelas sedentas de luz.

Fadigam-se a esperar

E precipitam a adormecer

E a dor assim, embalada pelo sono

Esquece a tristeza que lhe rouba a alma

E pousa a dormir serena e calma

Aparecida Dias

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s